blog_360
NOVAS FOTOS

Divulgadas novas fotos do filme 360, dirigido por Fernando Meirelles, que tem estreia nacional dia 17 de Agosto.

 

p360 03902

Lucia Siposová - Mirkha (esquerda) / Gabriela Marcinkova - Anna

 

360 14apr 02149

Dinara Drukarova - Valentina / Vladimir Vdovichenkov- Sergei

 

360 20apr 02240

Jamel Debbouze - Algerian Man (direita) / Dinara Drukarova - Valentina (esquerda)

 

360 b03may 03396

Mark Ivanir -The Boss

 

360 b03may 03412

Johannes Krisch - Rocco

 

p360 03695

Marianne Jean-Baptiste- Fran 

 

p360 03704

Ben Foster - Tyler McGregor / Marianne Jean-Baptiste- Fran

 

p360 03844

Vladimir Vdovichenkov- Sergei (direita) / Gabriela Marcinkova - Anna (esquerda)

 

360 11apr 2057

Ben Foster - Tyler McGregor 

 

360 11apr 2063

Marianne Jean-Baptiste- Fran 

993 visitas
TRAILER E CARTAZES DE 360

Está no ar o trailer nacional de 360. Abaixo, também, os cartazes internacionais, brasileiro e alemão do novo filme de Fernando Meirelles.

 

 

internacional360-crop

 

cartaz360

 

360 af cartaz 3x4-crop

 

360

Para mais informações confira o FACEBOOK DO 360.

1630 visitas
SOBRE O 360 NA ALEMANHA

Sobre o 360, do blog alemão sobre cinema, o Movie-On.

 

360

Eu estava no clima de me divertir, então decidi assistir este filme não sabendo muito sobre, mas somente porque o elenco havia me impressionado. Não havia passado nem mesmo 10 minutos quando eu disse: este é Fernando Meirelles! Deus, eu estava certo. Veja, Meirelles não é para fins de entretenimento, mas surpresa! Este filme estava me entretendo, então eu relaxei e… surpresa de novo, eu curti a viagem muito mais do que em qualquer um dos últimos filmes de Meirelles.

 

O elenco não poderia ser melhor, com ótimas atuações de Anthony Hopkins, Rachel Weisz, Jude Law, Moritz Bleibtreu, and Jame Debbouze, só para citar aqueles que me são bastante familiares; Mas os atores menos conhecidos (para mim) também são bons. As especificações de produção são ótimas na medida em que eu acredito que não abusaram muito da tela dividida , a qual foi usada durante vários momentos no filme. O que é marcante neste filme é a trilha sonora do filme , o que para mim, é definitivamente indispensável.


O filme conta uma série de estórias curtas que começam num ponto e logicamente  ( veja o nome do filme) terminam no mesmo ponto, significando que começa em Vienna e termina em Vienna; mas viaja para Slovakia, Londres, Paris e Colorado (USA). Na minha opinião as estórias são todas sobre tomadas de decisões e nada mais , visto que,  conforme o filme é construído , não há tempo ( ou necessidade) de desenvolve-las além dos lampejos que você conseguirá ver.

 

A técnica narrativa usada por Meirelles é complexa para ser descrita em palavras, visto que as estórias são contadas no estilo circular, não sequencialmente, mas em ordem, o que quer dizer que nada volta para o passado, sempre em frente mas não em ordem. Consequentemente nós veremos muitos pedaços e partes de cada estória. Ao final, você terá a estória toda. Diz-se que a estória é inspirada em Arthur Schnitzler´s La Ronde , mas com certeza,  vagamente/livremente inspirado e decididamente isto não é  Max Ophüls' La Ronde,  visto que este filme é primordialmente diversão, e diga-se de passagem, muito boa diversão que fará você sentir angústia em certos momentos, então não relacione Ophuls oeuvre a este filme.

 

Eu acho que este filme talvez não seja para todas as audiências, especialmente depois de ler alguns comentários; minha melhor referência é que se você gosta de assistir filmes curtos onde você não tem muito tempo para aprender muita coisa  sobre os personagens , mas só aproveitar seja o que for que seja mostrado e se você deseja um momento de entretenimento , então este é o filme prá você.

 

Certamente se eu soubesse que eu estava indo assistir a um filme de Fernando Meirelles , eu teria tido expectativas e certamente o filme não teria satisfeito essas expectativas , visto que  eu nunca havia imaginado que um filme deste diretor poderia ser divertido e nada mais. E ainda, minha necessidade por um momento de entretenimento foi completamente satisfeita com este bom filme com bons atores.

 

Aproveite!!!

 

Confira, também, na sessão CLIPPING, mais informações sobre 360 no exterior.

1408 visitas
DE VOLTA...

peter

Na foto: o roteirista Peter Morgan, o ator Moritz Bleibtreu e o diretor Fernando Meirelles.


Um flashback: Desembarquei em São Paulo no primeiro domingo de junho e na segunda estava na ilha de montagem com o Daniel Rezende. Ele havia começado o trabalho cinco semanas antes, então, já havia uns 50 minutos de material pré-montado para ser assistido. Vi cenas, ou blocos de cenas, isoladas sabendo que essa ainda não era a hora de dar palpites, mas sim, dar espaço para o montador. 

 

Durante as três semanas seguintes, passei por lá todos os dias para falar sobre o que ele ainda estava fazendo ou o que iria começar no dia seguinte, sempre pegando leve, no espírito de deixá-lo fazer seu filme. Tanto como o roteirista, o montador tem um lado autoral e quando se tem um bom autor na sala de montagem é besteira não deixá-lo mostrar a sua versão do filme. A maneira como eu vejo cada cena eu já sei, nada mais sábio do que deixar o Daniel mostrar o que ele estava vendo antes de batermos o martelo no que fazer. Como não sei exatamente onde quero chegar, vou descobrindo no caminho, acabo sendo desapegado à maioria das minhas idéias. Isso funciona bem. Para diretores que já tem todo o filme na cabeça esta mesma regra, de deixar o montador solar, não vale. Claro!

 

Como tínhamos um roteiro muito amarrado, no qual não se pode derrubar cenas ou inverter a ordem de sequências e, como o filme foi rodado de maneira bastante organizada, o processo de montagem foi ligeiro. No final de junho, 6 ou 7 semanas após começar o trabalho, chegamos a um primeiro corte. Acreditando que poderíamos afinar a montagem em mais umas 3 semanas. Avisei os produtores que o filme ficaria pronto em agosto e não em outubro, conforme o combinado, e que então poderíamos esquecer Berlim, como havia sido dito, e pensar numa estratégia de lançamento ainda para 2011.

 

Assistir o filme inteiro pela primeira vez gera uma ansiedade angustiante pois, apesar de saber que havia boas cenas e ótimas atuações, às vezes isso colocado junto pode surpreender e resultar num filme fraco. Respirei fundo, apagamos a luz, e o Daniel deu o 'play'. Esse primeiro corte estava com 2 horas e 15 minutos. Antes da luz da sala ser acesa, ao fim destas duas horas, uma outra luz acendeu, mas na minha cabeça: A luz de pânico, velha amiga. "Muita calma nesta hora" disse o Daniel, tranquilo por já ter visto muito diretor neste PPPP: Pânico-Pós-Primeira-Projeção. Ele encarou a questão de forma profissional e corriqueira. Sabe que a luz de pânico faz parte do processo. 

 

A primeira providência foi escrever para os mesmos produtores e avisá-los que eu estava puxando a tomada da parede: "Vamos parar tudo. Há muito trabalho a ser feito. Voltemos a pensar em Berlim" Nada mais foi dito. Eles me pediram, desesperados, para ver o corte, mas aí o Oceano Atlântico jogou a meu favor. Fizeram planos mas, no final, ninguém teve o impulso de pegar um vôo de 11 horas para assistir 2 horas de um filme em uma TV, ainda mais porque sabiam que eu ainda não estava feliz. 

 

Após mais duas semanas de trabalho havíamos feito bom progresso, o filme já tinha perdido uns 15 quilos (minutos) e com a gordura que se foi apareceu alguma musculatura. Limpar a gordura sempre é um bom truque pois, de fato, por baixo dela há músculo. O problema é que às vezes, misturada com esta gordura, está também o "coração" do filme e ao cortar muito o tempo de um olhar, um momento de silêncio, pode-se levar junto a alma do trabalho. Fazer esta separação do que é gordura e do que é coração é o truque. 

 

Após estes primeiros acertos, mesmo sabendo que faltava muito, mandamos uma cópia apenas para o Peter Morgan, roteirista. Assim que ele assistiu mandou os tradicionais elogios exagerados, típicos de quem fala inglês e junto veio o que chamou de "mil observações". Eram menos que isso mas haviam muitas. Daí em diante, o Peter foi incluído integralmente no processo. Nos 30 dias que se passaram entre o primeiro corte e o corte final trocamos uns 210 emails, fora 'Skypes' e muitos 'Quick-times' de cenas remontadas que iam para Viena quase todos os dias. O Peter é intenso, participou de tudo como se estivesse sentado ao nosso lado, mas por sorte é democrático também e quando via que uma impressão sua não seria usada, depois de um tempo, aceitava e mudava o foco. Essa foi a melhor colaboração que já tive com um roteirista no processo de montagem. Sua ajuda foi muito valiosa, nos aproximamos bastante e vai ser difícil não trabalharmos juntos novamente. Sei que a sensação dele é recíproca.

 

Mesmo sem uma versão acabada, como o trabalho avançava bem, resolvemos partir para um 'sprint' e finalizar o filme a tempo de pegarmos o Festival de Toronto, no início de setembro. Loucura na verdade, principalmente para o pessoal de som, em Viena. Mas ao saber que em Toronto haveria a chance de vender o filme para um distribuidor americano, que talvez o lançasse ainda em 2011, não pensei 3 segundos e pisamos no acelerador. 

 

Hoje é dia 6 de setembro e eu escrevo de Londres, vindo de Viena, onde terminamos a mixagem quatro dias antes da estréia no Canadá. Assisti a primeira cópia do filme com som ontem. Há 6 erros de imagem, mais uns problemas de som, mas não há mais tempo para acertar. Peço desculpas em Toronto e aviso que é uma cópia provisória. Desistir não é mais possível e nem desejável. Depois desta apresentação corrigiremos.

 

A minha prioridade agora é mesmo mostrá-lo o quanto antes para tentarmos vender para o mercado americano e convencer os possíveis compradores a lançarem em dezembro e com isso tirar da frente este filme. Não há nenhuma amargura nessa intenção. É questão prática. Me apavora a perspectiva de ter que ficar fazendo promoção de "360" até junho do ano que vem. A vida é para frente. Este está acabado. Que venha o próximo.

 

Acabei não falando da montagem mesmo, o que ia fazer neste texto. Falo na próxima.

 

Londres 6/09/2011


 

1587 visitas
EQUIPE DE FILMAGEM DA ÁUSTRIA

Vídeo enviado por Quico Meirelles, integrante do núcleo de fotografia do filme "360".

996 visitas
CHROMA

Vídeo enviado por Quico Meirelles, integrante do núcleo de fotografia do filme "360".

1061 visitas
SOL OU NEVE?

Vídeo enviado por Quico Meirelles, integrante do núcleo de fotografia do filme "360".


1198 visitas
TEXTURAS E BAR

Vídeo enviado por Quico Meirelles, integrante do núcleo de fotografia do filme "360".


O Roteirista britânico, Peter Morgan, pode ser visto na cena com o texto na mão.


1257 visitas
O QUE CABE EM 1,60M

fmei na rua

Foto de Barrie McCulloch, assistente de direção de "360"


Desde que assisti o Jamel Debouze em Amelie Poulin  passei a prestar atenção no ator. Não por acaso, o último filme que assisti no Brasil antes de vir filmar 360 foi Fora da Lei, filme Francês/Argelino que concorreu ao Oscar de melhor filme estrangeiro este ano, no qual Jamel faz o protagonista.    

 

Há sete anos encontrei-o por acaso num bar em Paris e fomos apresentados. Em nossa rápida conversa, eu o informei: "Um dia vamos fazer alguma coisa juntos, anota aí". Ao ler no roteiro que havia um personagem chamado "Algerian Man", mesmo sem ter lido a história ainda, seu nome me veio a cabeça imediatamente. O problema é que o homem, uma mega celebridade na França, estaria no meio de uma turnê de um novo espetáculo, então achei que dificilmente toparia o convite. Para a minha surpresa, talvez por se tratar de um papel romântico e triste, o que para um comediante pode ser interessante, ele remanejou algumas apresentações e entrou na barca. Ao encontrá-lo em Paris, há duas semanas, ele me lembrou da promessa que eu havia feito depois de algumas taças de vinho. A vida dá voltas; 360 está aqui  para provar. 

 

Vou poupar os elogios a Jamel, para que este texto não pareça chapa branca, mas a energia que cabe em 1,60 m é inacreditável. Quem der uma olhada no vídeozinho postado aqui, onde estou mexendo numa grua e sendo avacalhado pela equipe, verá que no início, ao terminar de falar com Jamel, ele não volta andando para a sua posição, sai correndo. Não estávamos atrasados, é que o camarada é assim mesmo; uma usina atômica.

 

Jamel faz um dentista muçulmano obcecado por uma mulher infiel (que é como os muçulmanos chamam o resto da humanidade). Com quem ficar? Com Alá ou com a mulher?  Este é o conflito do seu personagem. O próprio Jamel me contou que deveria ter se casado com uma namorada portuguesa e católica, mas, por pressão das duas famílias, acabaram se separando. Por esta razão ele conhece na pele o drama do seu personagem e disse que para a geração de franceses de ascendência argelina ou marroquina, como ele, esta é sempre uma grande questão. Apesar de eu não acreditar em bruxas, gosto muito quando estas coincidências acontecem.

 

O desfecho da história do dentista se passa em seu consultório durante uma consulta.  Ao ver uma aliança na mão da sua amada, sua assistente, ele se distrai e sem querer machuca o paciente com uma agulha. Sente-se mal pela distração e percebe que é a hora de resolver a questão, e então, enquanto a anestesia faz efeito, chama a assistente num canto para uma conversa. A assistente, que é casada, está interessada no patrão e esperando que ele se declare (duplamente infiel, a moça). A cena deveria mostrar esta tensão e o conflito dos dois.  

 

Ensaiamos umas duas vezes e começamos a rodar. Num dos primeiros takes, Jamel, sem querer, deixou cair a bandeja de instrumentos e Dinara, a atriz que faz a assistente, tomou um susto. Ele pediu desculpas com a câmera rodando, não sei se para mim ou se para o paciente e continuou a cena. Gostei do acidente e do susto, então, resolvemos incorporá-los à cena. Rodamos mais uns dois takes, até a hora em que ela deveria abrir uma gaveta, mas a gaveta emperrou. Jamel, sem sair do personagem, foi até o armarinho para ajudá-la e sem querer se espremeram num canto da sala raspando o corpo um no outro. Ele usou o contato, sentiu o cheiro dela quando ela cruzou em sua frente, ficou desconcertado por alguns segundos e voltou ao seu texto. Foi muito bom, então, no take seguinte, incorporamos também o problema da gaveta e o esbarrão. Mais para frente, ao preparar a seringa, Dinara quebrou a tampinha que protege a agulha e se assustou. Mais um erro que entrou no repertório. Finalmente, num outro momento, a máscara que Jamel usava na hora de dar a anestesia saiu do seu nariz, então Dinara se debruçou sobre o paciente para recolocá-la; seus dedos tocaram de leve o rosto do "patrão". Sorrisos, olhares e mais tensão. O gesto foi incorporado também, claro.   

 

Nos últimos takes que fizemos a cena toda passou a ser sobre a seqüência de erro dos dois; tudo foi sendo marcado e repetido como um pequeno balé. Estas besteirinhas levemente cômicas provocavam olhares entre eles como um diálogo sem palavras que o paciente, ali com a boca aberta, não estava percebendo. Tensão discreta e romântica. "Lovely", disse Paula, continuista inglesa, ao meu lado. Uma cena inteiramente resolvida graças ao que poderia parecer problemas. 

 

Não vou contar como é o desfecho desta ceninha (14 pilas para quem quiser saber), mas a maneira como ela foi sendo encontrada me deixa cada vez mais interessado em ir para o set todas as manhãs, com um plano na cabeça, mas muito disposto a subvertê-lo. A Andrea, minha sócia, diz que sou especialista em dar tiro no próprio pé, mas já desisti de tentar criar o filme no papel, faz tempo. Assumi minha infidelidade, as minhas próprias idéias ou minha burrice para conseguir planejar tão detalhadamente. Simplesmente, não tenho controle sobre o mar da minha cabeça, então só me resta surfar na onda que aparecer na hora. Equipado com atores como o Jamel e Dinara, o risco de escorregar e tomar um caldo fica muito menor, claro, e dispensa parafina.

 

Viena 01/05/2011

1052 visitas
NOTÍCIAS SOBRE "360" EM SITES AUSTRÍACOS

Na última semana, dois portais de notícias austríacos, Kurier e Krone, colocaram em destaque notícias, curiosidades e vídeos sobre 360 e seu elenco, mais especificamente,  o ator Jude Law, que se encontra em Viena, na companhia de Fernando Meirelles e todo o resto da equipe.

 

Abaixo, o link e um resumo em português sobre as duas matérias:

 

 

KURIER

 

 

360 kurier

 

Resumo:

"Reigen" e Jude Law fazem etapa em Viena.

Filmagens na Áustria: Viena vira cenário para 360.

Hoje Viena, amanhã Paris, Londres, Rio... O diretor brasileiro Fernando Meirelles segue com todo circo para uma série de cidades onde encontram palcos e dinheiro de apoio financeiro.

Os países europeus têm se interessado em receber grandes produções de cinema internacionais, o que ajuda na divulgação do turismo local. A Áustria investiu 7,5 milhões de euros em 2011 nos incentivos culturais. Além de 360, o país presenciou as filmagens de James Bond, em 2008.

360 é uma adaptação internacional de Reign, peça de Arthur Schnitzler, escritor austríaco. A estréia da peça original foi em 1920, na cidade de Berlin. Foi tão falada e comentada, principalmente pelas cenas de sexo e amor que permeiam os dez episódios da história, que sofreu um processo e foi censurada até 1982. A peça já tem algumas adaptações para o cinema dos anos 50 e 60.

O roteiro de 360 é da estrela britânica Peter Morgan.

 

KRONE

 

krone

 


Resumo:

"Espero que tenha um pouco de tempo livre aqui."

Pobre Jude Law, não poderá sair em Viena.

Jude Law está em Viena, onde atua no papel principal de 360, produção internacional de cinema, versão da peça de teatro Reign, de A. Schnitzler.

Ele gostaria de ter tempo livre para sair e ver a cidade, mas espera ter os dias cheios da manhã até a noite.

Jude Law ainda não conhecia a peça de teatro, mas se interessou pelo projeto principalmente por ser dirigido por Fernando Meirelles, de quem confessa ser um fã. Ele conta um pouco sobre seu papel com Rachel Weiss e elogia muito o trabalho do roteirista Peter Morgan.

Em 2011, Jude Law será júri do festival de Cannes, onde verá seus trabalhos em 360, Sherlock Holmes e outros dois filmes.

1169 visitas
O EXÍMIO OPERADOR DE GRUA

Vídeo enviado por Quico Meirelles, integrante do núcleo de fotografia do filme "360".

1593 visitas
DARK MAN

img 8498

Quando o Adriano Goldman, fotógrafo e grande parceiro, sugeriu rodarmos este filme no aspecto 2:35 e ainda por cima em 16mm,  achei que talvez ele estivesse indo longe demais. O risco desta combinação, 16mm +  2:35 (aquele quadro mais comprido), é que o resultado final tende a ficar mais granulado do que os filmes granulados que estamos acostumados a ver. Na verdade não é nem um risco, pois acontecerá inexoravelmente, mas mesmo sabendo disso resolvemos encarar. O grão em 360 virou uma opção estética e não terá volta.  

 

A minha preocupação na verdade veio mais em função do mercado do que esta questão estética. Gosto de grãos, mas me ocorreu que poderia estar comprometendo a venda do filme com uma textura granulada. Ao conversar com o Andrew, nosso produtor, ele foi muito positivo a respeito e nos incentivou a ir em frente.   Embarcamos convencidos de que grandes atores em cidades como Paris ou Viena, filmados de uma maneira um pouco menos limpa, pode ter seu charme. Uma aposta. 

 

Como bem observou o Adriano, o que acontece é que há uma onda no mercado de filmes que parecem vídeo games ou desenhos animados de tão nítidos, principalmente os filmes de super-heróis e isso está virando um padrão (algum crítico espertinho diria que são "pornográficos", de tão explícitos). A idéia destes filmes parece ser colocar cada vez mais o espectador dentro do espetáculo, catarse em 3D.

 

Em 360 tomamos o caminho contrário; a idéia aqui talvez seja colocar o espectador dentro de sua própria cabeça e para fazer isso o grão pode ajudar, já que funciona como uma espécie de véu entre o objeto fotografado e quem está assistindo. Ao escondermos um pouco a imagem estaremos sugerindo mais do que explicitando, deixando um espaço para que o espectador complete em sua cabeça o que não vê na tela. Para um filme sobre emoções, sobre camadas da nossa psique, talvez seja interessante fazer isso. Coincidentemente, esta semana, uma amiga me mandou uma frase do Grande Sertão, Veredas, que me deu mais segurança sobre isso. Riobaldo diz: "Sou um homem ignorante. Gosto de ser. Não é só no escuro que a gente percebe a luzinha dividida? Eu quero ver essas águas a lume de lua..."

 

Só o que se esconde pode ser revelado. Assim é a poesia. Não?

 

Sei que isso pode parecer conversa mole para justificar o grão que veremos, mas não é.  Há semanas, Adriano e eu vínhamos tentando esconder um pouco o filme, ao optarmos por enquadramentos onde, às vezes, o que se passa na frente da câmera não está tão explícito. Temos usado o foco ou o desfoque de maneira menos usual; movimentos de câmera nem sempre sincronizados com o movimento dos atores, e ele tem eliminado cada vez mais os refletores do set, a ponto de Jamel Debouze, ator francês com quem acabamos de filmar em Paris, tê-lo apelidado de "Dark Man".

 

Todos os dias, surpreendido pela falta de equipamento e luz no set, Jamel vinha para o Adriano, na frente de todo mundo e, para a gargalhada geral, perguntava: "Você tem mesmo certeza que já fez isso antes?". Claro que ele tem. 360 não será um filme escuro e nem obscuro, mas não será todo 'explicadinho', também. Está saindo com uma simplicidade rigorosa, como é o fotógrafo que está inventando estas imagens. 

 

Mas meu grande aprendizado em termos de fotografia tem sido mesmo em relação ao tal aspecto 2:35. Passei anos aprendendo que com uma determinada lente, a certa distância, posso enquadrar meio corpo de um ator, por exemplo. Me acostumei com estas composições  em 1:85 e em geral sabia qual lente precisava usar para o que eu buscava. Em 2:35,  uma mesma lente que eu usaria para conseguir um meio corpo acaba enquadrando só o rosto e um pouco de ombro. Neste aspecto é muito difícil enquadrar uma pessoa em pé, pois sempre sobra um monte de área de imagem dos lados e nem sempre há o que colocar ali. Para arquitetura, então, o 2:35  é um inferno. Tentar enquadrar prédios ou paisagens verticais é impossível; isso te obriga a ir muito para trás, e aí seus atores já viraram umas formiguinhas. Por outro lado, o formato funciona muito bem para enquadrar duas pessoas falando em close ao mesmo tempo. Ali cabem duas cabeças e um espaço no meio tranquilamente, e assim pode-se evitar alguns cortes. Foi justamente por termos muitos diálogos neste filme que achei que valia a pena experimentar esta novidade proposta pelo Adriano, fora o prazer de ter que reaprender a enquadrar.

 

Das poucas coisas que já aprendi sobre mim mesmo, uma delas é a necessidade que tenho de não saber fazer alguma coisa para poder fazer direito. O conforto me deixa preguiçoso, me emburrece; aprendi isso. Melhor não estar muito no controle e andar um pouco em áreas escuras. Acho que, assim como o Riobaldo, eu também quero mais é ver essas águas a lume de lua.

 

24/04 - Viena


na foto: Adriano Goldman, diretor de fotografia, por Quico Meirelles

1199 visitas
FILMAGEM NA PRISÃO

Vídeo enviado por Quico Meirelles, integrante do núcleo de fotografia do filme "360".

1054 visitas
DIVERSÃO, BEM PAGA!

Vídeo enviado por Quico Meirelles, integrante do núcleo de fotografia do filme "360".

809 visitas
LITTLE VALENTE MARIA

Quando um ator faz uma cena com outro ator, em inglês, diz-se que fulano is "playing against" sicrano. Na verdade, usamos a mesma expressão em português, mas 'contracenar' não parece uma expressão tão competitiva. Há mesmo uma espécie de luta entre dois atores em cena, como se estivessem brigando para ver quem rouba a cena. Talvez não devessse ser assim, mas esta profissão tem mais relação com uma corrida de obstáculos, ou com uma luta livre, do que se imagina. Sempre pode haver um vencedor e um perdedor. Ser humano não tem jeito. É o que somos.

 

Visto por este ângulo, me impressionou a tranquilidade com que a Maria Flor embarcou neste seu primeiro projeto falado em inglês. Não estar trabalhando em sua mátria, como diria o poeta, é como entrar numa raia onde sua posição de largada está 10 metros atrás do outro ator "contra" quem se vai atuar. Quando este outro ator é um medalhista, então, a coisa fica mais difícil ainda. Mas a Flor foi valente e enfrentou 16 páginas com Antony Hopkins, ou com Ben Foster, bravamente e se saiu bem. Muito bem!

 

Não bastassem as dificuldades expostas acima, ainda houveram outros obstáculos para ela. Como já contei aqui, Ben Foster não quis conhecer a Maria Flor antes de rodar suas cenas com ela, pois seus personagens também não se conheciam. A primeira cena rodada juntos foi praticamente o primeiro encontro dos dois atores. Eles haviam dito boa-noite uma semana antes, e só. Para complicar ainda mais a vida da atriz, combinei que rodaria só a primeira parte desta primeira cena entre eles, mas na traição, pedi para o Ben entrar em quadro e continuasse a cena surpreendendo-a com o encontro inesperado, assim como acontece na história. Reconheço que a idéia de surpreendê-la foi meio tola, uma vez que ambos são bons atores e poderiam facilmente interpretar a surpresa, mas o fato é que funcionou. Rodamos outras tomadas depois desta experiência estabanada, mas acho que a eletricidade do encontro está mesmo naquele primeiro 'take'. A montagem dirá.

 

Neste dia, a sequência toda da Flor com o Ben Foster foi meio rodada como um jogo. Na continuação desta mesma cena, também sem avisá-la, Ben levantou-se de sua cadeira e pediu que ela trocasse de lugar com ele. Ela não entendeu o que estava acontecendo, assim como a sua personagem não deveria entender este pedido estranho, que nem estava no roteiro, mas entrou no jogo, acatou a ordem e nunca perdeu o texto, nem saiu do personagem. Simplesmente saiu tocando a bola como um Neymar. Na terceira parte da cena foi a vez dela surpreendê-lo. Ela me pediu para não cortar a câmera onde estava previsto e deixá-la tocar o diálogo sem ele saber. Ben percebeu logo a jogada e embarcou sem vacilar. Ambos estavam tão dentro dos seus personagens que só mesmo o grito de corta, como uma estalada do dedo de um hipnotizador, conseguia tirá-los daquele mundo onde estavam. Me envolvi tanto com a tensão e as variações de climas que eles traziam em cada tomada, que quando vi já havíamos rodado quase 3 horas de material com as duas câmeras. Para uma cena de uns 3 ou 4 minutos isso é bem ridículo, reconheço.

 

Na semana seguinte foram as cenas da Flor com Anthony Hopkins. Aí não houveram surpresas, mas a dificuldade da Flor talvez tenha sido ainda maior pois Hopkins estava tão dentro do seu personagem que mesmo quando estava falando com ela parecia estar mais focado nos sentimentos do John, que interpretava, do que no que ela dizia. Entendi ali o que disse o Moritz sobre ter que atuar sozinho. Hopkins estava lá defendendo seu personagem, fazendo seu trabalho. Ela que trabalhasse para salvar o seu. Jogo para gigantes. Hoje, recebi um email dele que dizia: "I enjoyed playing with little Maria - she is so talented and beautiful".

 

Apesar de contracenar com dois atores brilhantes, talvez a melhor cena da Maria Flor, no filme, seja um momento em que ela, sozinha, chora dentro de um banheiro de avião. Rodamos apenas dois 'takes' e nem teria sido preciso o segundo, se não quiséssemos trocar de lente, pois no primeiro, parte da equipe já disfarçava as lágrimas ao vê-la. Quando um maquinista é visto discretamente enxugando os olhos, significa que alguma coisa aconteceu no set. No dia seguinte o Peter (roteirista), que recebe o material filmado por email todos os dias, mandou uma mensagem cumprimentando-a. Para mim acrescentou: 'Esta garota vai virar uma estrela internacional'. É bem possível. Hoje, a Flor está em Los Angeles se reunindo com diferentes produtores já interessados em conhecê-la para seus projetos.

 

É questão de tempo, acredito. Pouco tempo.

 

Ponto para "little Maria".

1062 visitas